Esperança

Nestes días están a aparecer noticias para a esperanza sobre, se non a erradicación da  CoVid19, se unha porta para a curación coa aparición de varias vacinas nun, relativamente curto, espazo de tempo.

Esta poesía de Mario  Sa Carneiro fala de  esparanza.

Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) foi um poeta português da primeira Geração Modernista, também conhecida como “Geração do Orpheu”. Sua obra ocupa lugar de destaque na literatura portuguesa. Nasceu em Lisboa, Portugal, no dia 19 de maio de 1890.

Esperança

Esperança:
isto de sonhar bom para diante
eu fi-lo perfeitamente,
Para diante de tudo foi bom
bom de verdade
bem feito de sonho
podia segui-lo como realidade

Esperança:
isto de sonhar bom para diante
eu sei-o de cor.
Até reparo que tenho só esperança
nada mais do que esperança
pura esperança
esperança verdadeira
que engana
e promete
e só promete.
Esperança:
pobre mãe louca
que quer pôr o filho morto de pé?

Esperança
único que eu tenho
não me deixes sem nada
promete
engana
engano que seja
engana
não me deixes sozinho
esperança.

One comment on “Esperança

  1. Trasloce a anguria vital que non deu superado. Clamaba pola esperanza, mais finalmente deixouno sozinho. Mágoa.
    Encántame este poema.

    Gústame

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s