Agarra as palavras

Agarra as palavras
trazidas pelo vento,
nuas, às vezes cruas

Não perguntes de quem são,
de onde vêm,
quem as inventou,
quem as proferiu.

Que interessa?
Agarra-as, são para ti,
de mim para ti.

Falam dos nossos amores,
dos meus e dos teus desejos,
dos nossos sonhos e ilusões.

Não faças perguntas,
escuta-as apenas…
São poesia, o nosso poema
a nossa consciência.

Falam de amor, do nosso, amor.

António Alves.
13/04/2020

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s